Conheçamos e prossigamos em conhecer ao Senhor; como a alva, a sua vinda e certa; e ele descera sobre nos como a chuva, como a chuva serôdia que rega a terra. (Oséias 6:3)

05 Congregar

discipuladoLIÇÃO 05 - CONGREGAR

 

“Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns.” (Hb.10:25)

 

I. SOMOS A FAMÍLIA DE DEUS

Deus quer uma família. Toda a Bíblia é a história de Deus formando uma família que irá amá-lo, honrá-lo e reinar com Ele para sempre. Ele diz: “Em amor nos predestinou para sermos adotados como filhos, por meio de Jesus Cristo, conforme o bom propósito da sua vontade.” (Ef.1:5)

Quando colocamos nossa fé em Cristo, Deus se torna nosso Pai, nós nos tornamos seus filhos e os outros crentes se tornam nossos irmãos e irmãs; a igreja agora é a nossa família espiritual. A família de Deus inclui todos os crentes do passado, do presente e do futuro.

Paulo expressa esta verdade da seguinte maneira: “Portanto, enquanto temos oportunidade, façamos o bem a todos, mas especialmente aos da família da fé.” (Gl.6:10).

II. A IMPORTÂNCIA DOS RELACIONAMENTOS

Frequentemente, agimos como se os relacionamentos devessem ser espremidos em nossas agendas. Conversamos sobre arrumar um tempo para nossos filhos ou criar tempo para as pessoas que fazem parte da nossa vida. Isso dá a impressão de que os relacionamentos são apenas uma parte de nossa vida, juntamente com muitas outras tarefas. Mas Deus diz que a vida é feita de relacionamentos.

Quatro dos Dez Mandamentos versam sobre o nosso relacionamen­to com Deus; os outros seis, sobre o nosso relaciona­mento com as pessoas. Todos os dez são sobre relacionamentos! Jesus resumiu os dez mandamentos em duas instruções: amar a Deus e amar as pessoas.

“Ame o Senhor, o seu Deus de todo o seu coração [...] Este é o pri­meiro e maior mandamento. E o segundo é semelhante a ele: Ame o seu próximo como a si mesmo. Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os Profetas.” (Mt.22:37-39). 

Após aprender a amar a Deus (adoração), aprender a amar os irmãos (serviço) é a segunda coisa mais importante que se possa fazer.

As ocupações são grandes inimigos dos relacionamentos. Tornamo-nos preocupados com ganhar a vida, fazer o nosso trabalho, pagar as contas e cumprir metas, como se essas tarefas fossem a razão de nossa vida. Elas não são! O objetivo da vida é aprender a amar tanto a Deus quanto às pessoas.

Uma das formas pela qual Deus mede nossa maturidade espiritual é pela qualidade de nossos relacionamentos. No céu, Deus não dirá “Fale-me de sua carreira, de sua conta bancária e de seus passatempos”. Em vez disso, vai querer saber se aprendemos a amar.

Não é o bastante dizer que relacionamentos são importantes; nós devemos provar isto investindo tempo neles. Palavras isoladas não detêm nenhum valor. “Filhinhos, não amemos de palavra, nem de língua, mas de fato e de verdade.” (I Jo.3:18). Relacionamentos tomam tempo e esforço, e a melhor maneira de soletrar amor é t-e-m-p-o.

É da vontade de Deus que tu estejas se relacionando de forma constante com outros crentes, para que possa desenvolver a habilidade de amar. O amor não pode ser aprendido solitariamente. Tu tens que ter pessoas por perto — pessoas irritantes, imperfeitas e frustrantes.

III. SOMOS UM CORPO

Na família de Deus, estamos unidos uns aos outros como membros de um corpo. A Bíblia diz: “Em Cristo, nós, que somos muitos, formamos um corpo, e cada membro está ligado a todos os outros.” (Rm.12:5). Para Paulo, ser “membro” da igreja significa ser um órgão vital de um corpo vivo, parte indispensável e interconectada a todo o corpo de Cristo. A igreja é um corpo, não um edifício de tijolo e cimento; um organismo vivo e não uma organização.

Para que os órgãos do nosso corpo cumpram o seu propósito, eles precisam estar conectados ao corpo. O mesmo ocorre conosco como parte do corpo de Cristo. Cada um tem uma função específica para cumprir no corpo, mas não seremos capazes de fazer isto se não estivermos comprometidos com uma igreja local. Descobrimos o nosso papel nesta vida pelo relacionamento com os outros. A Bíblia diz: “Assim como cada um de nós tem um corpo com muitos membros e esses membros não exercem todos a mesma função, assim também em Cristo nós, que somos muitos, formamos um corpo, e cada membro está ligado a todos os outros.” (Rm.12:4,5)

Se um órgão é de alguma forma desligado do corpo, ele definha e morre. Ele não pode existir por si mesmo, nem nós. Desligado e arrancado do sangue vital da igreja local, sua vida espiritual fenece e acaba por deixar de existir. É por isso que o primeiro sintoma de declínio espiritual é normalmente o comparecimento irregular aos cultos e a outras reuniões. Sempre que nos tornamos descuidados com a igreja, tudo o mais também começa a desmoronar.

IV. A IMPORTÂNCIA DE CONGREGAR

Os valores de hoje, que advogam a independência e o individualismo, criaram muitos órfãos espirituais – crentes que ficam saltando de uma congregação para outra, sem filiação, sem responsabilidade ou compromisso. Muitos creem que é possível ser um “bom cristão” sem frequentar uma igreja local. Mas Deus discorda veementemente. A Bíblia diz: “Não deixemos de congregar-nos, como é costume de alguns.” (Hb.10:25). Seguem algumas razões para sermos ativos e comprometidos com uma congregação local:

1. Retira-nos do nosso isolamento egoísta. A igreja local é a sala de aula onde você aprenderá a se relacionar com a família de Deus. É o laboratório para a prática do altruísmo e do amor compassivo. Como membros ativos, aprendemos a nos interessar pelos outros e a partilhar suas experiências. Somente pelo contato regular com crentes comuns e imperfeitos podemos aprender o verdadeiro companheirismo e experimentar a verdade do Novo Testamento: ser unidos e dependentes uns dos outros.

2. Ajuda-nos a desenvolver músculos espirituais. Jamais chegaremos à maturidade espiritual apenas comparecendo aos cultos de adoração como espectador passivo. Somente a plena participação nas atividades da igreja local desenvolve músculos espirituais. A Bíblia diz: “Na medida em que cada parte realiza o seu trabalho, ela coopera para o crescimento das outras partes, para que todo o corpo esteja saudável, crescendo e cheio de amor.” (Ef.4:16).

Pode parecer mais fácil ser espiritual quando não há mais ninguém por perto para frustrar nossas preferências, mas essa é uma espiritualidade falsa; é fácil nos enganarmos pensando sermos maduros quando não há ninguém para nos contestar. A verdadeira maturidade se manifesta nos relacionamentos.

3. Dá-nos um destino. Deus tem uma função específica para cada um desempenhar na igreja local. Isso se chama “ministério” e Deus lhe concedeu talentos para este fim: “Servi uns aos outros, cada um conforme o dom que recebeu, como bons despenseiros da multiforme graça de Deus.”  (I Pe.4:10). A comunidade local é o lugar que Deus planejou para descobrirmos, desenvolvermos e utilizarmos os nossos talentos e dons.

4. Impede-nos de cair. Nenhum de nós está imune à tentação. Nas circunstâncias apropriadas, tu e eu somos capazes de qualquer pecado. Deus sabe disso, então nos atribuiu individualmente a responsabilidade de mantermos uns aos outros no caminho certo. A Bíblia diz: “Encorajem-se uns aos outros todos os dias de modo que nenhum de vocês seja endurecido pelo engano do pecado.” (Hb.3:13). Somos chamados e ordenados a nos envolver na vida uns dos outros.

Outro benefício da igreja local é que ela proporciona a proteção espiritual de líderes devotos. Deus dá aos pastores a responsabilidade de guardar, proteger, defender e cuidar do bem estar espiritual de seus fiéis.

Satanás adora crentes afastados, desligados da vida no corpo, isolados da família de Deus e incompreensíveis para os líderes espirituais; porque Ele sabe que eles são indefesos e impotentes contra suas estratégias.

V. CONCLUSÃO

A diferença entre visitar uma igreja e ser membro de uma igreja está no comprometimento. Visitantes são espectadores que ficam à parte; membros se envolvem no ministério. Visitantes consomem; membros contribuem. Visitantes querem os benefícios que a igreja traz, sem participar das responsabilidades.

A vida cristã é mais do que apenas um compromisso com Cristo; ela inclui compromisso com os outros cristãos. Tornar-se membro de uma igreja local é o passo que vem naturalmente a seguir, uma vez que você tenha se tornado filho de Deus. Você se torna cristão ao se comprometer com Cristo, mas se torna membro de uma igreja ao se comprometer com um grupo específico de crentes. A primeira decisão traz a salvação, a segunda, a comunhão.

 

Wilson Linhares Castro


Áudio: