Conheçamos e prossigamos em conhecer ao Senhor; como a alva, a sua vinda e certa; e ele descera sobre nos como a chuva, como a chuva serôdia que rega a terra. (Oséias 6:3)

07 Dízimos e Ofertas

discipuladoLIÇÃO 07 - DÍZIMOS E OFERTAS

“Trazei todos os dízimos à casa do tesouro, para que haja mantimento na minha casa.” (Ml.3:10)

 

 I. CONCEITO E ORIGEM

A palavra dízimo significa “a décima parte”. Dizimar, portanto, é a prática de pôr de lado e dedicar a Deus dez por cento da nossa renda. O dízimo tem como finalidade sustentar obreiros e socorrer órfãos e viúvas.

O costume de dizimar não se originou na Lei de Moisés, mas já era conhecido desde os dias de Abraão, isto é, trezentos anos antes da Lei (Gn.14:20. 28:22). Na verdade, era uma prática religiosa comum entre os povos daquela época e região (assim como os sacrifícios).

II. O DÍZIMO E A LEI

O dízimo foi incluído na Lei de Moisés como um tributo em favor dos levitas (clero) e dos pobres. Com isso, recebeu uma finalidade social, a saber: de sustento para aqueles que ministravam ao Senhor em tempo integral (Nm.18:21, 24-28) e de ajuda financeira para os pobres (Dt.26:10-13).

Por duas vezes, Deus teve que chamar a atenção dos cidadãos de Israel por negligenciarem este dever religioso e social. A primeira vez foi por intermédio de Neemias (Ne.13:10-12)A segunda, pelo profeta Malaquias, no já célebre texto citado por todos que procuram fundamentar a prática do dizimar (Ml.3:7-11).

A “Lei dos Dízimos” foi revogada em Cristo Jesus, porque “o fim da lei é Cristo” (Rm.10:4). Não, porém, o princípio por trás do dízimo, que o fez migrar para a dispensação da graça como uma contraprestação pelo serviço religioso prestado (I Co.9:11-14; Gl.6:6). Todavia, não se trata de salário, mas de honorários, pois o pastor não é empregado da igreja, mas um servo do Senhor (I Tm.5:17).

III. DISTINÇÃO ENTRE DÍZIMO E OFERTA

A. Ofertar é o ato de contribuir voluntariamente e segundo a prosperidade de cada um para a manutenção da igreja e suprimento de eventuais necessidades. Trata-se de uma doação (Êx.25:1-8), podendo ser pecuniária (dinheiro), patrimonial  (bens) ou serviços. Sabemos que, pelo menos desde os tempos de Justino Mártir (100 a 167 d.C), eram recebidas contribuições nas reuniões dos cristãos efetuadas no primeiro dia da semana. É provável que a referência que temos em I Co.16:2 indique a mesma prática, embora este versículo seja vinculado a uma circunstância especial.

É das ofertas que Paulo está falando em II Coríntios, capítulos 8 e 9. Portanto é aqui que devemos procurar o ensinamento apostólico quanto à finalidade delas. Segundo Paulo:

1. As ofertas são para socorrer os irmãos nas suas necessidades (8:4; 9:1,12);
2. Deve-se contribuir segundo as nossas posses (8:11,12);
3. Visa igualdade entre os membros da igreja (8:13-15);
4. É uma expressão da nossa generosidade e amor (9:5-7).       

B. Dizimar, por outro lado, é o ato de contribuir com um percentual (10%) da nossa renda de forma regular e periódica para o sustento dos obreiros de tempo integral e para socorro aos órfãos e viúvas que estão sob responsabilidade da Igreja (Pv.3:9).

É do dízimo que Paulo está falando em I Coríntios, capitulo 9. Portanto é aqui que devemos procurar o ensinamento apostólico quanto à finalidade dele. Segundo Paulo:

1. Os que têm um chamado de Deus para se dedicarem exclusivamente ao Evangelho têm “o direito de deixar de trabalhar”  (9:6);

2. Todavia, não às suas próprias custas, “[porque] quem jamais vai à guerra à sua própria custa? Quem planta a vinha e não come do seu fruto? Ou quem apascenta um rebanho e não se alimenta do leite do rebanho?” (9:7).

3. Paulo nos versículos 8-13 apela não para a Lei de Moisés propriamente dito, mas para um princípio que nela está contido, a saber: “Se nós vos semeamos as cousas espirituais, será muito recolhermos de vós bens materiais?” (9:11). Leia também Rm.15:27; Gl.6:6; Ne.13:10-13.

4. A casta sacerdotal foi abolida com a revogação da Lei de Moisés pela nova lei de Cristo, mas não o princípio do sustento que mantinha este ofício, pois ele é perfeitamente aplicável à Igreja, como Paulo mesmo diz: “Não sabeis vós que os que prestam serviços sagrados, do próprio templo se alimentam; e quem serve ao altar, do altar tira o seu sustento? Assim ordenou também o Senhor aos que pregam o evangelho, que vivam do evangelho.” (9:13,14).

5. Quanto aos órfãos e às viúvas, ou seja, às famílias necessitadas no meio da Igreja, aprendemos que desde o início tinham participação na distribuição dos dízimos (At.6:1-3; I Tm.5:3-16). Sabemos que se tratava de dízimos, e não de meras ofertas, pela analogia que Paulo fez com a Lei de Moisés e, também, em razão da necessidade que havia de periodicidade e regularidade quanto a estes recursos, o que nem sempre ocorria com as ofertas.

 IV. O PRINCÍPIO DA GENEROSIDADE

Dar é fundamental no Cristianismo. Muitos cristãos sinceros caem na escravidão da pobreza porque ainda não compreenderam o princípio espiritual da generosidade. Precisamos aprender que a nossa maior arma em tempos de dificuldade econômica é a nossa generosidade. O primeiro passo para a cura financeira é dar.

No entanto, alguns, por estarem endividados, acham que não têm condições de dar o dízimo. Mas, na verdade, o que não poderiam fazer é deixar de dá-lo! De modo geral, o que precisamos não é aumentar a nossa receita, e sim ter o devorador repreendido em nossas vidas. O Senhor promete não apenas repreender o devorador, mas também abrir as janelas dos céus quando somos fieis (Ml.3:8-12). Este texto de Malaquias é o único na Bíblia onde Deus pede que façamos prova dele. Ninguém que haja dado fielmente o dízimo ficará sem experimentar a fidelidade do Senhor à Sua Palavra.

O uso que o indivíduo faz de seu dinheiro é, com freqüência, um termômetro da sua espiritualidade (I Jo.3:17,18) e também revela onde está o seu coração (Mt.6:19-24). Quando dizimamos, afirmamos que reconhecemos que tudo que temos vem do Senhor (I Cr.29:14-16) e que confiamos nele para nosso suprimento (Fl.4:19), e não em nós mesmos, nem em nosso trabalho (Dt.8:11-14,17,18). Deus não precisa do nosso dinheiro (Ag.2:8). O mundo todo lhe pertence (Sl.24:1). Dizimar visa ao nosso bem, não ao dele. Nossas desculpas apenas ferem a nós mesmos.

A Bíblia é clara quanto ao lugar onde entregar o dízimo: na “casa do tesouro”, ou seja, na igreja. No entanto, alguns julgam que não podem confiar nos líderes da sua igreja com respeito ao dinheiro. Ora, se não podem confiar nos seus líderes com relação ao dinheiro, serão tolos em confiar neles com suas almas. Nossa responsabilidade é obedecer, deixando o Senhor lidar com os que são irresponsáveis.

A maior parte dos dízimos e das ofertas deveria ser encaminhada para o sustento de obreiros que se dedicam em tempo integral para a igreja e também para ajudar os necessitados. Uma quantia generosa deveria ser encaminhada à obra missionária em outros países, pois Deus abençoa ricamente a igreja que tem visão missionária.

V. O PRINCÍPIO DA SEMEADURA

Encontramos um princípio em II Coríntios, capítulo 9, que eu chamo de “princípio da semeadura”. Paulo o explica da seguinte maneira: “Aquele que semeia pouco, pouco também ceifará; e o que semeia com fartura, com abundância também ceifará. (…) Ora, aquele que dá semente ao que semeia e pão para alimento também suprirá e aumentará os frutos da vossa justiça; enriquecendo-vos em tudo para toda a generosidade.” (II Co.9:6, 10,11). Ao analisarmos este texto descobrimos que:

1. A bênção é sempre proporcional à nossa generosidade;

2. Tudo que recebemos de Deus se classifica como semente ou como pão. A semente é para semear (contribuição), e o pão é para consumir (uso próprio). Se consumirmos a semente juntamente com o pão, sofreremos prejuízo. Como disse Salomão: “A quem dá liberalmente ainda se lhe acrescenta mais e mais, ao que retém mais do que é justo, ser-lhe-á em pura perda. A alma generosa prosperará, e quem dá a beber será dessedentado.” (Pv.11:24,25).

3. A bênção material sempre visa ao suprimento das necessidades pessoais e alheias e jamais à satisfação da nossa ganância ou cobiça (I Tm.6: 6-10).

Wilson Linhares Castro


Áudio: