Conheçamos e prossigamos em conhecer ao Senhor; como a alva, a sua vinda e certa; e ele descera sobre nos como a chuva, como a chuva serôdia que rega a terra. (Oséias 6:3)

(19.07.16) I Rs.4:29 Largueza de Coração

meyerLARGUEZA DE CORAÇÃO. I Reis 4:29

F.B. Meyer

 

Todos nós devemos admitir que a nossa alma é muito estreita. Ela contém muito pouco, sabe muito pouco, é deficiente em força de vontade, e, sobretudo, na capacidade de amor; e quando somos chamados a correr na carreira dos mandamentos de Deus, nos desesperamos e clamamos: “Se eu vou ser um corredor, Tu deve primeiro aumentar meu coração.”

Quão pouco sabemos da experiência que Madame Guyon descreve quando ela diz: “Essa vastidão ou largueza que não é limitado por qualquer coisa, aumenta a cada dia, de modo que a minha alma na participação das qualidades de seu Noivo parece também participar de sua imensidão. ”

“Existe”, comenta um dos antigos puritanos, “um aperto, escravidão e estreiteza em todo pecado, o pecado amassa nossas almas; que, se fossem livremente ampliadas, seriam tão grandes e largas quanto o universo. Nenhum homem é verdadeiramente livre até que tenha a sua vontade ampliada até a medida da vontade de Deus, amando tudo quanto Deus ama, e nada mais, este desfrutará uma liberdade sem limites, e uma doçura sem limites. O amor de Deus abraça o universo. “Ele amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito”. Nós, que têm participação da natureza divina deve também amar como Ele amou.

Thomas Kempis diz, finalmente: “Aquele que busca glória em coisas fora de Deus, ou busca prazer em algum bem privado, ficará de muitas maneiras sobrecarregado e angustiado; mas se graça celestial entrar e o amor verdadeiro, não haverá inveja, nem a estreiteza de coração, nem amor-próprio ocupado consigo mesmo, pois a caridade divina vence todas as coisas e dilata todas as potências da alma. “Dá-nos, ó Deus, esta largueza de coração, como a areia que está na praia do mar”!